Mãe do pequeno Athur conhece GCMs de Taboão que ajudaram a salvar vida do filho após engasgo

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 1/03/2020

A Central de Rádio da Guarda Civil Municipal de Taboão da Serra teve uma visita especial na última sexta-feira, dia 28. Daniela, moradora do Jardim Panorama, conheceu e agradeceu pessoalmente os guardas que por telefone ajudaram a salvar a vida do pequeno Arthur. O bebê, no dia em que completava 10 dias, engasgou e foi socorrido com o auxílio da GCM da após a mãe telefonar para a central da guarda.

“Eu o amamentei, depois o coloquei para arrotar. Depois de um tempinho, coloquei ele para deitar foi aí que começou a faltar o ar”, explicou a mãe. “Eu entrei totalmente em desespero. Assoprava a boca, a moleira e nada. Foi então que pensei em ligar para a GCM”, disse ainda.

“A gente pensou no começo que fosse trote, porque recebemos bastante [...], mas depois vimos que não era e eu dei para o Almir atender e passar os procedimentos enquanto eu ligava para o Samu e pedia apoio”, explicou a guarda Gleice, que está há doze anos na corporação e nunca tinha atendido a este tipo de ocorrência.

Já GCM Almir, que passou as instruções à Daniela, tem treze anos de Guarda e também recebeu este chamado pela primeira vez. “Ela também passou calma para a gente. Parecia o cotidiano e foi a primeira vez que fizemos”, informou ele.  

Após jogar o leite e voltar a respirar, uma viatura da guarda foi até a casa de Daniela e socorreu Arthur até Pronto Socorro Infantil, no Jardim Santo Onofre, onde o bebê recebeu os devidos atendimentos médicos e ficou em observação durante seis horas.

A Guarda Civil Municipal recebe treinamento para atender a este tipo de ocorrência, conforme explica o subcomandante Borgatto. “Nós sempre tivemos esses cursos, primeiros socorros, defesa pessoal, porém, nas últimas turmas, nós demos mais ênfase nesse tipo de ocorrência porque cresceu muito a demanda. Recebemos bastante chamados para engasgamento, queda, acidente e buscamos, por isso, aprofundar nosso conhecimento”, esclareceu.

A corregedora Sandra Fidelis, que também esteve presente no encontro, ressaltou que “a Guarda como um todo é extremamente preparada”. “O processo seletivo é bastante rígido, são várias fases do concurso. Tem uma turma agora em treinamento, são pelo menos três meses da parte teórica, e mesmo quem já está aqui também faz estes cursos”, disse.

“Precisei da GCM em outras situações e nunca me decepcionaram, nunca me faltaram, principalmente no momento mais crucial. Você vê uma criança com dez dias passar pelo que passou e você ser bem atendido, tanto pelo telefone, te ajudarem e ver também a equipe se deslocar até minha casa, que foi muito rápido, é gratificante”, agradeceu emocionada Daniela.

Comentários