Moradora de Itapecerica relata dificuldade para retirar de unidades de saúde fitinhas de glicose para filho com diabetes

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 15/08/2019

Vanessa Almeida, moradora do Jardim Montezano, em Itapecerica da Serra, tem enfrentado dificuldades para retirar nas Unidades de Saúde da Família (USF) da cidade as fitas usadas para medir glicemia  do filho de 8 anos que tem diabetes tipo 1. O insumo é fornecido gratuitamente pela rede pública, mas desde o início de agosto ela não consegue pegar as fitas nas USF do Jardim Montezano, a qual é cadastrada.

“Já fui seis vezes no postinho e eles não têm previsão de chegada”, relatou. “Como são insumos de baixo custo, eu tenho direito de pegar só aqui nesse posto, mas mesmo assim eu liguei em outra UBS e a atendente disse que também não tem”, completou ainda Vanessa.

Por mês, ela retirava cerca de 200 tiras no posto, mas agora, com a falta, tem que comprar. “Uma caixa para teste de glicemia com 25 unidades custa em torno de R$ 60,00 e dura apenas três dias”, informou ela. Por dia, seu filho precisa furar o dedo 6 vezes.

Além das fitas, a moradora do Jardim Montezano ainda precisa comprar as seringas para o filho, que custam em torno de R$ 100,00 por mês. Já as fitas, que deveriam ter sido entregues gratuitamente, ela gastou cerca de R$ 240,00 só no mês de agosto. “O ruim é que eu não tenho nenhuma resposta completa ou previsão de quando vai chegar”, disse ainda.

Outra situação relata por Vanessa a falta de insulina. O filho usa dois tipos. Uma ela pega em São Paulo e a outra a distribuição foi transferida para o Centro de Especialidades Municipal (CEM) da cidade, no entanto, até agora ela não conseguiu pegar. “A insulina asparte foi transferida para eu pegar aqui, mas tem três meses que eu estou indo no CEM e não tem”, relatou.

“Não é fácil porque a gente já sofre com a doença. Tem que ficar furando uma criança todo dia, toda a hora, e faltar ainda? Não é tudo mundo que tem condições. Eu conheço outras pessoas que também precisam desses insumos”, completou.

A reportagem procurou a Autarquia da Saúde, que respondeu por meio de nota que “todas as unidades do município contam com as fitinhas de dextro disponíveis” e que “irá verificar o que ocasionou a reclamação da paciente”. Sobre a insulina, a administração ainda disse que “está aguardando a liberação desse material por parte do Governo do Estado e que a situação deve estar regularizada até a próxima segunda-feira, dia 19

Comentários