PL sobre aumento salarial dos servidores deve ser enviado à Câmara de Taboão na próxima segunda-feira

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 26/03/2019

Durante sessão que marcou a volta de cinco vereadores do BIH à base governista, foi anunciado que na próxima segunda-feira, dia 1 de abril, deve ser enviado à Câmara Municipal pelo Executivo o Projeto de Lei sobre o aumento e a reposição salarial do funcionalismo público. O percentual do aumento, no entanto, ainda não foi divulgado.

Apesar de o prefeito Fernando Fernandes já ter anunciado o aumento aos servidores municipais do dia 7 de setembro do ano passado, o assuntou foi um dos principais motivos do embate político entre o Executivo e os vereadores até então dissidentes nas últimas sessões que tratavam sobre o orçamento. Os "idenpendentes" e o da oposião negavam que a peça orçamentária enviada à Câmara comtemplava o aumento ao cabo que os da base garantiam a previsão do acréscimo no orçamento.

“Depois de todo esse conflito de ideias, nós chegamos a um denominador comum, fazer o reajuste do nosso funcionário público. E só unindo forças é que isso poderia acontecer e que os nossos funcionários iam receber aquilo que é direito deles”, disse Joice Silva, do PTB, frisando a união entre vereadores pela causa.

Marcos Paulo, do PPS, presidente da Câmara, também em discurso ameno, sinalizou que “esse [o aumento] fator principal foi o princípio do diálogo”. Ele também afirmou em tribuna que alguns pedidos do BIH ao Executivo já estão sendo atendidos, como a entrega de 10 viaturas da Guarda Civil Municipal, que fazia parte de uma das emendas aprovadas pelo bloco “independente”.

Já Ronaldo Onishi, do SD, afirmou “que não poderia deixar de registrar esse momento histórico e parabenizar cada vereador”. “Quando há acordo de líderes, chegamos em um consenso. A hora é essa, este é o momento oportuno que nós buscamos a paz e iremos discutir assuntos importantes na casa”, disse. Onishi foi considerado o pivô da reunião entre os vereadores e o Executivo.

Eduardo Nóbrega, do PSDB, dissidente da base que se tornou um dos críticos ferrenhos ao governo nos últimos meses desde o rompimento, voltou a “afagar” Fernando e disse que “não há motivo para não acreditar que essa lei será encaminhada para a Camara”. “Eu dou um voto de confiança no prefeito que eu ajudei a eleger”, disse. Ele também enfatizou a importância do acordo feito.

Se aprovado na próxima segunda-feira, dia 26 o projeto sobre o aumento a e reposição salarial do funcionalismo será novamente enviado ao prefeito Fernando Fernandes para ser sancionado e passará a valer. 

Comentários