Família de menina que perdeu a visão de olho esquerdo em acidente pede ajuda para comprar prótese ocular

Por Gabriela Pereira - Especial para o Jornal na Net | 14/02/2019

Uma moradora de Taboão da Serra tem se mobilizado para tentar conseguir ajuda de empresas e pessoas próximos da região. O auxílio é para uma causa nobre: conseguir comprar uma prótese ocular para a sobrinha do marido, a pequena Nayara Nicoli Moreira dos Santos, de 10 anos, que perdeu a visão do olho esquerdo há aproximadamente um ano.
 
"Ela estava em casa com a mãe e com os dois irmão e ai ela achou uma bomba caseira na gaveta, acendeu na pia e os estilhaços atingiram o olho dela e foi uma correria.. O médico disse que ela perdeu a retina todinha do olho", conta a mulher.
 
Após o acidente, Eliete decidiu pegar a menina para cuidar e iniciou um tratamento nas clínicas. "Eles falaram que iam colocar a prótese e tudo, a gente estava confiante de que eles iam dar, ai depois de um tempo para cá, este ano, eles falaram que o SUS não cobria", explicou.
 
O valor da prótese, segundo a munícipe, é de R$ 1.100,00, mas nem ela e nem o marido têm condições de comprar. "A gente não tem condições, se eu pudesse, compraria e dava, a questão é que eu não estou trabalhando. E meu marido é autônomo, então quando tem trabalho, ele trabalha, quando não tem, não vai", disse.
 
O componente artificial ocular não restaurará a visão de Nayara, mas foi recomendado pelos médicos para recompor alguns traços no olho que foram prejudicados. Por se tratar de uma questão estética, a menina a princípio não quis fazer, mas depois de ter sofrido bastante bullying na escola, voltou a pedir para a esposa do tio a cirurgia.
 
"Teve casos na escola. As crianças estavam chamando ela de cega e tudo mais, então a gente decidiu voltar no hospital para falar com o médico dela e fazer a operação", disse
 
 
No entanto, veio a surpresa ao descobrir que o hospital só fazia a cirúrgia, a prótese teria que ser comprada pela família. Como não dispunha de condições imediatas, o médico deu aos parentes um prazo para conseguir comprar, de dezembro até março. Caso não consigam até esta data, Nicoli perde a gratuidade da cirúrgia e além de terterá que pagar pela prótese, terá que bancar também a o operação.
 
A família relata que, na verdade, "não quer mexer com dinheiro", que o ideal seria alguma empresa a ajudar dando a prótese, no entanto, vale ressaltar que qualquer tipo de ajuda é bem-vinda.
 
Se você quiser ajudar ou souber de alguém que possa ajudar na causa de Nayara, entre em contato com jornal. Nós relataremos a família.
 
 
 

Comentários