Taboão terá Patrulha Guardiã Maria da Penha e sai na frente no enfrentamento da violência contra mulheres

Por Sandra Pereira | 2/08/2017

Taboão da Serra deu mais um passo importante no enfrentamento da violência contra às mulheres na sessão da Câmara Municipal desta terça-feira, 1, com a criação da Patrulha Guardiã Maria da Penha. A patrulha específica da Guarda Civil Municipal (GCM) é destinada a atender às mulheres da cidade vítima de violência ou com medida protetiva. A equipe que fará a patrulha será treinada especificamente para essa finalidade. Atualmente, Taboão da Serra tem quase 50 mulheres com medidas protetivas após sofrer violência de ex-parceiros.

A aprovação unânime da lei de autoria do Poder Executivo foi seguida de muita comemoração pelos vereadores e a Coordenadora dos Direitos da Mulher de Taboão da Serra, Drª Sueli Amoedo, que acompanhou a votação ao lado da Corregedora da GCM, Sandra Fidelis e do comandante da guarda Sando Léo.

“Essa lei é essencial no enfretamento da violência doméstica. Infelizmente, o Brasil tem índices muito altos de feminicídio (assassinato de mulheres). A cada uma hora e meia uma mulher sofre estupro. Com essa lei vamos combater essa violência de forma institucional, com o município ajudando a Lei Maria da Penha”, afirmou a coordenadora.

De acordo com Sueli Amoedo,a Lei Maria da Penha reduziu em 10% os crimes de violência da doméstica. Ela alertou que no caso das mulheres negras a incidência dos casos cresceu, enquanto a efetividade da resolução é inferior a 10%.

“A mulher branca está sendo mais favorecida com a lei. No caso das mulheres negras o aumento da violência permanece. Os dados mostram que o preconceito racial influência diretamente a violência doméstica e amplia o número de vítimas”, sustentou.

A Patrulha Guardiã Maria da Penha visa garantir a efetividade da Lei Maria da Penha integrando ações e compromissos pontuados na adesão do Pacto Nacional de Enfrentando à violência contra as mulheres estabelecendo relação direta com a comunidade e assegurando o atendimento das vítimas.

A violência contra as mulheres é ainda mais acentuada contra as negras, fator agravado pela baixa escolaridade, desemprego e vulnerabilidade social.

“A violência contra a mulher é tema que eu sempre debati e tenho a satisfação de apresentar projetos de enfretamento a esses casos. Esse projeto de patrulha é fundamental para a segurança dessas mulheres. Nosso prefeito acertou e mais uma vez Taboão da Serra sai na frente nessa questão”, afirmou a presidente da Câmara Joice, autora de vários projetos relacionados ao enfrentamento da violência como a notificação compulsória e o Tempo de Despertar, que reabilita os agressões e tem índice de reincidência inferior a 3%.

Durante a sessão, o vereador Dr. Ronaldo Onishi apresentou dados alarmantes sobre a violência doméstica no Brasil. De acordo com ele 12 milhões de brasileiras foram agredidas em 2016 sendo, 503 e mulheres são agredidas por hora.

“Essa lei vai desencorajar os agressores a praticar esse crime absurdo e de total desrespeito às mulheres”, disparou.

Os vereadores José Aparecido Alves e André Egydio, autores da lei que permite as mulheres descerem do ônibus mais perto de suas casas após às 22 horas, também elogiaram e muito a aprovação da lei e se posicionaram firmes contra a prática desumana de violência à mulher.

Comentários